Identidade da Pastoral da Sobriedade
 
      A Pastoral da Sobriedade é a ação concreta da Igreja para o enfrentamento, de maneira concreta, do problema social da exclusão, miséria e violência. Nasceu em 1998, na 36ª Assembléia dos Bispos do Brasil, para responder à delicada questão do uso de drogas. E hoje, vai além. Trata de qualquer tipo de dependência - química ou não – vícios, manias, compulsões ou pecados.
      Atua de forma orgânica. É uma Pastoral Social, de Inclusão e Conjunto. É a resposta imediata na Paróquia ao flagelo da dependência química.
      Propõe 5 linhas de ação:
  1. Na PREVENÇÃO ao uso de drogas.
  2. Na INTERVENÇÃO junto a quem experimentou a droga, mas ainda não se tornou dependente dela.
  3. Na RECUPERAÇÃO do dependente químico.
  4. Na REINSERÇÃO FAMILIAR E SOCIAL do dependente em sobriedade.
  5. Na ATUAÇÃO POLÍTICA onde entendemos todas as formas de articulação e diálogo.
  6. E inicia suas atividades de forma concreta através da abertura do GRUPO DE AUTO-AJUDA DA SOBRIEDADE na Paróquia.
      A porta de entrada para o desenvolvimento destas linhas de ação é o Grupo de Auto-Ajuda da Pastoral da Sobriedade - GAA.
 
      O GRUPO DE AUTO-AJUDA É A IDENTIDADE DA PASTORAL.
 
O Grupo de Auto-Ajuda atua: - na Prevenção e na Atuação Política quando, por ser pastoral orgânica desenvolve ações interligadas e age interligando as demais pastorais, movimentos e ministérios dentro da paróquia, quando, por ser pastoral social, busca ser causa de transformação pessoal, comunitária e da sociedade pela promoção de ações concretas em favor da Vida junto à iniciativa privada, escolas públicas, e governos. O GAA atua na Intervenção, Recuperação e Reinserção familiar quando exerce ação terapêutica e de evangelização, que traduzida na Terapia do Amor, trabalha para a sobriedade do dependente e sua família, simultaneamente durante as reuniões semanais do Grupo de Auto-ajuda e também atua enquanto pastoral de inclusão quando objetiva a inserção de cada participante tanto nas demais pastorais e atividades existentes na paróquia assim como na sociedade.
      Durante as reuniões semanais é proposto um Programa de Vida Nova através da vivência dos 12 Passos da Sobriedade Cristã. Estas reuniões são cíclicas e ininterruptas que seguem o Calendário Nacional da CNBB-Coordenação Nacional. Em todo o Brasil, durante a semana, simultaneamente, o mesmo Passo é trabalhado em cada paróquia. É através da perseverança nas reuniões que o Programa de Vida Nova é proposto, compreendido e, pela graça de Deus, adotado como meta individual. Sua vivência leva à conversão. Por meio dele a pessoa é conduzida ao compromisso no agir cristão. A pessoa faz a redescoberta de si mesma, de sua auto-estima, da importância da própria dignidade, dos autênticos valores cristãos, éticos e morais, de sua cidadania.
É a fé inserida no cotidiano da vida. Enfim, descobre a Vida Nova em Cristo cuja meta é uma caminhada perene em sobriedade à santidade.
      “A vida em sobriedade continuada está diretamente ligada à espiritualidade do indivíduo”, eis o silogismo que a ciência, sobretudo a medicina, anuncia. Sem abrir-se à ação de Deus tudo se torna efêmero. Deus ama, de maneira especial, a cada um de nós. E Ele tem para os seus filhos um Projeto de Amor, revelado por Jesus Cristo e garantido pelo Espírito Santo que gera a felicidade.
 
      SINGULARIDADES DO GRUPO DE AUTO-AJUDA DA SOBRIEDADE
  1. O primeiro ponto fundamental é o pluralismo das dependências.
    São tratadas dependências químicas, não químicas, passando pelas compulsões, manias, condicionamentos, chegando à depressão e ao pecado.
  2. O segundo ponto é a característica aberta da reunião.
    Nas reuniões toda pessoa pode participar, independentemente de sua condição.
  3. O terceiro ponto é a atuação sistêmica.
    A família toda é trabalhada durante a mesma reunião. Não há distinção em função do tipo de dependência. Dependentes, familiares, agentes pastorais estão situados no mesmo plano.
  4. O quarto ponto essencial é a própria ação pastoral, que evangeliza, transforma, gera compromisso.
    Inclusão: Tem como meta inserir o indivíduo na “família de Jesus Cristo”, na Igreja. Incitando não somente a permanência nas reuniões semanais do Grupo de Auto-Ajuda, mas sim, visando o engajamento da pessoa na comunidade, formando o corpo místico de Cristo, onde cada um tem sua importante e especial função.
    Sócio-Transformadora: Aberta a todos. Vai ao encontro do outro. Através de ações concretas de acolhida incondicional dá o primeiro passo. Pretende ser fonte geradora de transformação pessoal, comunitária e social pelo desenvolvendo da consciência crítica.
    Orgânica: Promove a comunhão. Necessita das outras pastorais. Atua ligada e ligando movimentos, ministérios, carismas, cidadão comuns e responsáveis pelo povo, grupos organizados e voluntários, dentro ou fora da Igreja para que se forme assim uma frente compacta em defesa da vida.
 
      Por fim, a Pastoral da Sobriedade busca transpor a abstinência da dependência. Pretende atingir o núcleo central do ser humano levando-o a uma mudança radical de vida através de um processo permanente de conversão e compromisso. Aspira integrar seus participantes, agentes e coordenadores nas diversas atividades eclesiais contribuindo para que o Reino de Deus aconteça. Nosso lema: “Buscar a Santidade pela Sobriedade!”.
 
Conselho Diretor
 
Bispo Responsável Nacional: Dom Irineu Danelon - SP
Assessor Eclesiástico Nacional: Pe. João Roberto Ceconello - PR
Coordenador Nacional: Ana Martins Godoy Pimenta - MG
Assessor Nacional: Pe. João Roberto Ceconello - PR
Assessor Nacional: Marcelo Henrique Esteves - RJ
Conselheiro Eclesiástico: Padre Sidnei RJ
Conselheiro Eclesiástico: Padre Robério Camilo - RN
Conselheiro Eclesiástico: Diacóno Fernandes - CE
Conselheiro Eleito: Maria da Penha Martins - MG
Conselheiro Eleito: José Luiz Prata - SP
 
Coordenação Nacional
 
Bispo Responsável: Dom Irineu Danelon - SP
Assessor Eclesiástico Nacional: Pe. João Roberto Ceconello - PR
Coordenador Nacional: Ana Martins Godoy Pimenta - MG
Coordenador Nacional Adjunto: Denise Ferreira - RJ
Assessor Nacional: Dalva Carvalho - SP
Assessor Nacional: Rogério Napoleão - MA
 
Coordenação Nacional de Formação
 
Bispo Responsável: Dom Irineu Danelon - SP
Assessor Eclesiástico Nacional: Pe. João Roberto Ceconello - PR
Equipe Nacional:
Coordenador Nacional de Formação: Pe. João Roberto Ceconello - PR
Coordenador Nacional de Formação Adjunto : Ernestina Bites Flores - PR
Assessor Nacional de Formação: Silvane Villanova Cecato - PR
Assessor Nacional de Formação: Fernando Barbosa - MG
Assessor Nacional de Formação: Arlete Costa - SC
Assessor Nacional de Formação: Valério Costa - SC
 
Conselho Econômico
 
Bispo Responsável: Dom Irineu Danelon - SP
Assessor Eclesiástico Nacional: Pe. João Roberto Ceconello - PR
Conselheiros Titulares: Gilberto - RJ
  Carlos Elias - ES
  Maria da Guia - PB
  Eliane Pry - PR
Conselheiros Suplentes: Sônia Tereza - RJ
  Daniel Stefanini - SP
  Vanir - RO
 
Conselho Fiscal
 
Conselheiros Titulares: Paulo Magnago - ES
  Andreia Alcantara - MG
  Claudio Edílio Ponheiro da Silva - SP
Membros Suplentes: Irmã Ivelina - BH
  Mariana Matheus Tavares - MT
  Doroty Carnayba - MT
 
 
FRENTES
Prevenção e Intervenção Recuperação e Reinserção Atuação Política Comunicação
Padre Simonides Padre Edson - MG Eros Biondini Andreia Alcântara
Maria Solene Garbocci - MG Celenita - SP Bortolin - SP Ernestina
Rogério Napoleão - MA Cristina Letra - RJ Rossini - SP Fernando Barbosa
José Augusto - PR Fernanda (Reviver) - BH Cloves Benevides - MG Mônica Bortolin

  

CNBB - Coordenação Nacional da Pastoral da Sobriedade
Sede: Rua Sebastião Malucelli, Nº 99. NovoMundo. CEP 81050-270 Curitiba - PR 
Fone: (41) 3339-1113 | Fax: (41) 3336-9257 

© Direitos reservados
Pastoral da Sobriedade.org